Desportos Aquáticos e Outras Atividades Emocionantes para as Férias

Não precisa de fazer férias no estrangeiro para “curtir” ao máximo desportos aquáticos e outras atividades radicais. Portugal é fértil em condições geográficas que lhe permitem divertir-se na água e também fora dela. Vejamos algumas opções disponíveis, por todo o país:

Nos Rios

  • O “rafting” é uma atividade radical que poucas pessoas experimentaram em Portugal. A ideia é descer o rio evitando os obstáculos e “surfando” os rápidos, sem perder o equilíbrio. O rio Minho é adequado para principiantes, enquando o Paiva e o Tâmega oferecem desafios mais exigentes.
  • O “canyoning” é uma atividade que, de acordo com a definição da Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo, consiste na “descida de cursos de água, geralmente no troço montante”, em áreas mais exigentes do ponto de vista geográfico e físico, também. O desporto combina técnicas de escalada e espeleologia, sendo muito procurado por turistas em busca de emoções fortes e contacto com a natureza. Em Portugal, os arquipélagos dos Açores e da Madeira e o Norte e Centro do continente (serra de Gerês, Montemuro, Alvão e Lousã, entre outras) são as zonas onde esta atividade é mais praticada.

No Mar

  • Water SportsAlugue um “jetski” e acelere sobre as ondas. O Algarve e a região de Lisboa possuem uma boa oferta de serviços de aluguer de motos de água.
  • O “parasailing” e o “kitesurfing” exigem que os praticantes gostem de emoções fortes, correr alguns riscos e também dominar o vento. Se no caso do “parasailing” o apoio do barco está sempre presente, no “kitesurfing” o atleta está totalmente entregue a si próprio – e à nortada dominante na costa litoral ocidental.
  • O “power-boat” e a “banana” são dois exemplos de atividades aquáticas que não constituem desportos, mas sim uma experiência divertida em férias, especialmente para as crianças.
  • Também para os mais pequenos, e com vista a despertar uma consciência ambiental e ecológica, é possível participar em viagens de observação dos golfinhos do rio Sado (Setúbal) e também das baleias nos Açores.

Les mer

Diferentes Tipos de Desportos Aquáticos que Pode Praticar em Portugal

Portugal é um país privilegiado para a prática de desportos aquáticos. Vejamos alguns dos desportos aquáticos que podem praticar-se no nosso país, e como:

Surf

Em Portugal Continental, o Oeste (Peniche e Ericeira) concentra grande parte das academias e escolas de surf. A praia de Supertubos, ao contrário do que acontece com a esmagadora maioria das praias portuguesas, tem um nome contemporâneo e derivado precisamente da experiência dos surfistas com o “swell” que aí encontram; é nessa praia que Portugal acolhe o Rip Curl Pro. Em S. Miguel, o Azores Surf Center proporciona aulas de surf nos Açores e também vende material.

“Windsurf”

A Riactiva (Aveiro), a WindSurf Point (Lagos), a Escola de Vela da Lagoa (Óbidos) e a Guincho Wind Factory (praia do Guincho, Cascais) são algumas das entidades dedicadas ao “windsurf”. A costa ocidental portuguesa, exposta à nortada constante, é um bom desafio para os “windsurfers”, tendo em conta que os aprendizes podem optar por controlar o vento em águas tranquilas (como é o caso do “windsurf” na ria de Aveiro ou na baía de S. Martinho do Porto) antes de desafiarem o mar.

“JetSki”

Para experimentar as motos de água é necessário ter carta de marinheiro. Contudo, não precisará de comprar um “jetski”, se não quiser arcar com esse investimento; contacte as empresas do setor atempadamente, para saber com o que poderá contar quando chegar à praia. É possível alugar motos de água no Algarve, em Lisboa, no Porto e até em Sesimbra ou Esposende.

“Flyboard”

FlyboardO filme “Regresso ao Futuro”, de 1985, incluia um “hoverskate”, uma visão futurista de um “skate” flutuante, sem contacto com o solo. O “Flyboard” é um desporto aquático, mas quem vê os desportistas a flutuar e a fazer piruetas no ar sobre uma plataforma impulsionada por jatos de água não pode deixar de se lembrar do papel de Michael J. Fox nesse filme. Com uma vantagem: os “flyboarders” mais experientes podem mergulhar de cabeça na água e voltar a emergir em direção ao ar. A Aquajet, em Esposende, é uma das empresas dedicadas ao “flyboard” em Portugal.

Les mer

Como Escolher Uma Academia de Desportos Aquáticos?

A escolha de uma escola ou academia de desportos aquáticos depende de vários fatores, que analisamos seguidamente:

Desporto praticado

A escolha de uma academia será, antes de mais, feita em função dos desportos aí praticados. As escolas de desportos aquáticos em Portugal já se encontram bastante desenvolvidas. É de esperar que existam muitas escolas de surf em Peniche e Ericeira, as “capitais” nacionais do surf. Porém, quem reside no Grande Porto tem ao seu dispor a Surfing Life Club, a Fish Surf School ou a Onda Pura. Da mesma forma, existem escolas de vela de Norte a Sul do país e também nas ilhas, como o Angra Iate Clube, na Terceira.

Proximidade Geográfica

College of Water SportsPara que o seu desporto aquático se torne um hábito, é importante que a prática seja regular, e não meramente um desporto de férias. As férias são, nalguns casos, o primeiro contacto com a modalidade, mas para conseguir evoluir no surf não é aconselhável que esteja inativo durante um período de longos meses até ao seu regresso ao mar. Procure uma academia ou escola que lhe permita – a si ou aos seus filhos – deslocar-se frequentemente, sem perder tempo nem incorrer em grandes despesas de combustível. Por exemplo, se vive em Setúbal, não precisa de cruzar o Tejo para aprender surf, graças às escolas existentes no distrito, como a Caparica Evolution Surf School ou a Duckdive.

Currículo dos formadores

Voltemos ao exemplo do surf. O facto de se tratar de um desporto, associado a um estilo de vida relaxado e descontraído, não implica que todos aqueles que se apresentem como formadores de surf tenham competências para tal. Não é assim tão difícil abrir um estabelecimento, comprar pranchas de surf e reunir uma turma de alunos. A Federação Portuguesa de Surf atribui certificação oficial aos instrutores, de modo a que o ensino e a prática do surf sejam o mais competentes e profissionais possível. Antes de se inscrever numa academia, informe-se sobre o currículo e as habilitações das pessoas que o vão ensinar. Não há qualquer motivo para não se ser exigente nesta matéria.

Les mer

Desportos Aquáticos Amigos do Ambiente, Para Exercício e Diversão

As preocupações ecológicas e ambientais são prementes e é cada vez maior o número de pessoas que as têm em conta relativamente às escolhas que fazem, sendo que o lazer e o desporto não são exceção. Neste artigo, vamos associar desportos aquáticos e ambientalismo, elencando alguns desportos sobre a água para exercício e diversão.
Quase todos os desportos aquáticos são ecológicos, na medida em que não é necessário consumir combustíveis fósseis nem ocorre emissão de resíduos. É natural que o “jetski”, pelo consumo de gasolina e risco de vazamento de detritos para a água (óleo), seja o principal desporto a evitar por quem pretende proteger o meio ambiente. Ainda assim, já existem diversos esforços investidos no sentido de criar motas de água elétricas, como é o caso da Universidade da Austrália Ocidental e da empresa Quadrofoil, da Eslovénia. Contudo, enquanto a opção de um “jetski” elétrico não chega ao mercado, vejamos outras opções de desportos aquáticos ecológicos:

  • SWindsurfingurf: dominar as águas e as ondas sobre uma prancha.
  • “Windsurf”: é idêntico ao surf, mas neste caso requer a ajuda do vento. No Youtube, é possível encontrar vídeos que mostram a espetacularidade deste desporto, em especial associados a Robby Naish, um dos maiores campeões de sempre. Já o português João Rodrigues disputa, em 2016 e de forma incrível, a sua sétima Olimpíada consecutiva no “windsurf”, marcando presença nesta competição desde 1992!
  • “Stand Up Paddle”: remar em pé sobre uma prancha, como se fosse uma jangada, é um exercício mais exigente do que parece. Requer equilíbrio, concentração e alguma força de braços, pois não há motor.
  • Canoagem: entre no caiaque, proteja-se do sol e comece a remar, sentindo os problemas do quotidiano a ficar lá atrás. A canoagem não polui.
  • Mergulho: a única forma de este desporto ser antiecológico é se o mergulhador, de alguma forma, destruir as plantas ou as formações rochosas que encontrar no fundo do mar.

Les mer

O Que Faz do Jet Ski o Melhor Desporto Aquático?

O “jet ski” é o melhor desporto aquático? Definir qual é o melhor será sempre uma questão subjetiva, mas existem boas razões a levar os “aceleras” das motos de água a considerar esta modalidade como a melhor para praticar sobre as águas, seja no mar, no rio ou no lago.

Velocidade

jetski SpeedO apelo da velocidade está sempre presente numa moto aquática, dando-nos a sensação de que cada onda é diferente e de que queremos sempre mais. A possibilidade de andar mais e mais depressa está sob a nossa mão, bem como a possibilidade de fazer “cavalinhos” sobre as ondas ou “piões” em círculos. Os praticantes mais experientes conseguirão controlar a máquina em pé e sentir que dar um passeio radical no mar se torna cada vez mais fácil e emocionante.

Segurança

Sendo um desporto radical, o “jetski” é uma modalidade relativamente segura. O impacto contra a água raramente é causador de lesões, estando nas mãos do desportista evitar zonas com banhistas, outros barcos, rochas ou recifes. Na verdade, a mota de água é frequentemente um elemento de segurança utilizado no patrulhamento de praias, para que o nadador-salvador possa alcançar rapidamente uma vítima em apuros, e também como suporte aos surfistas de ondas gigantes, quer para lançá-los no início da onda, quer para recolhê-los em caso de queda.

Versatilidade

A moto aquática pode ser utilizada em quase qualquer lugar. Pode utilizá-la numa albufeira de águas tranquilas, de modo a atingir elevadas velocidades, ou então no mar, de forma a cortar o “swell” ou a saltar por cima das ondas maiores. Além disso, ao contrário de modalidades tendencialmente individuais, como o “kitesurf”, aqui é muito fácil partilhar a experiência com outra pessoa; basta levá-la “à garupa”, sem qualquer espécie de equipamento adicional, para que ambos os participantes possam desfrutar do passeio! Não se esqueça de que o passageiro deve agarrar-se bem para não cair à água!

Les mer

Que Perigos Espreitam Os Praticantes de Desportos Aquáticos?

Os desportos aquáticos também compreendem alguns perigos, para os quais os novos praticantes devem estar atentos. Analisemos alguns desses riscos em detalhe:

Desportos Radicais

Extreme water sportsNo caso dos desportos chamados “radicais”, é fácil compreender os riscos envolvidos, uma vez que a própria sensação de perigo faz parte do apelo do desporto em questão. O “kitesurfing” tem sido associado a situações em que o praticante perde o controlo do “kite” sob ação do vento, podendo ser arrastado por centenas de metros; se existirem falésias, há perigo de morte. No “jetski”, a mota de água pode fugir ao controlo do praticante a altas velocidades; o mesmo pode acontecer no “rafting”, em que o domínio dos “rápidos” é o principal apelo. Nestes casos, além do risco, é a própria condição física do praticante que deve ser absolutamente perfeita. No caso do surf de ondas gigantes, nem seria preciso falar: a experiente surfista brasileira Maya Gabeira correu risco de afogamento na praia do Norte, na Nazaré. Recomenda-se que o desportista saiba nadar perfeitamente e tenha experiência prévia em outros desportos.

Desportos mais tranquilos

O surf já é de tal forma “mainstream” que começa a deixar de ser considerado como um desporto “radical”. Em todo o caso, o surfista, mais do que saber nadar, deve estar perfeitamente à vontade na água, mantendo a calma, e saber como lidar com correntes contrárias. Mesmo no caso do “stand up paddle”, recomendado para crianças, pessoas de mais idade ou menos propensas à atividade desportiva, é obrigatório que saibam manter-se calmas caso caiam à agua. A canoagem também tem sido procurada por famílias, por ser um desporto coletivo e uma experiência que podem partilhar, mas é necessário utilizar coletes e conhecer algumas regras básicas, caso o caiaque ou a canoa se virem ao contrário.

Os desportos aquáticos que exigem ao desportista mais tempo de exposição ao sol escondem outro perigo: as queimaduras. O uso de protetores solares é obrigatório, e recomenda-se roupa larga e chapéu. É o caso evidente das viagens de canoa a ritmo lento, que tendem a prolongar-se, por vezes, por várias horas, provocando escaldões aos seus praticantes.

Les mer

Mais 6 Desportos Aquáticos Emocionantes para este Verão

Já antes fizemos uma lista de 6 desportos aquáticos para experimentar no verão. Agora, repetimos a dose e sugerimos mais 6 atividades para preencher as suas férias!

“Surfing”

O surf era um desporto radical no início, quando era algo “importado” do estrangeiro, geralmente por veraneantes portadores de uma cultura vagamente “hippie”, cuja relação com o mar parecia mais descomplexada do que a nossa. Hoje em dia, já ninguém tem medo de se afogar por não saber nadar convenientemente e muitas são as crianças e adolescentes que querem aprender a dominar as ondas sobre uma prancha. Entretanto, a costa do Oeste tornou-se uma referência internacional neste desporto.

Kitesurf“Kitesurf”

À medida que o surf se tornou um desporto dito “mainstream”, os adeptos das atividades radicais já não se podiam ficar por enfrentar ondas de 2 metros de altura. O “kitesurf” junta o “kite” (“papagaio”) ao “surf” para criar um desporto no qual o atleta usa a força do vento para dominar as ondas.

Vela

Dedique as suas férias a conhecer melhor os segredos da navegação à vela. De Norte a Sul existem escolas e clubes náuticos que lhe poderão ensinar os princípios básicos deste desporto tão relacionado com a História de Portugal. Alguns velejadores afirmam que se trata de um exercício de “mindfulness” semelhante a outros desportos aquáticos, como a pesca – mas sem interferir com a vida animal.

“Flyboard”

O “flyboard” é a sua oportunidade de se sentir um super-herói de banda desenhada. Um “jetpack”, funcionando com jatos de água e também transportado às costas, permite ao “flyboarder” voar até aos 15 metros de altura e mergulhar até aos 2,5 metros de profundidade!

Esqui aquático…. sem esquis

O esqui aquático consiste em ser rebocado a alta velocidade por um “jetski” ou um barco a motor, o que já de si é um desafio exigente. E que tal experimentar esqui aquático sem a estabilização dos esquis, somente com os pés descalços sobre a água?

“Rafting”

Junte os amigos e desça o rio Paiva a toda a velocidade num bote insuflável a remos. Não se esqueça do colete salva-vidas, não vá o barco tombar!

Les mer