Desportos Aquáticos Radicais em Portugal

Os desportos aquáticos estão em expansão em Portugal. As empresas estão atentas e proporcionam aos atletas de fim de semana e aos aspirantes a profissionais o acesso aos equipamentos (comprados ou alugados), treino, formação e orientação, aproveitando as condições naturais do nosso país. Veja alguns exemplos de como e onde praticar desportos aquáticos radicais em Portugal:

Surf

As praias do Oeste, pela ação constante do vento norte e pela regularidade do “swell”, viram nascer um verdadeiro “cluster” em torno do surf. As praias em torno da Ericeira (Ribamar e Ribeira d’ Ilhas) e de Peniche (Baleal e Supertubos) acolhem centenas de turistas ao longo do ano, portugueses e estrangeiros, que se inscrevem nas academias de surf locais para praticar e aprender. Mais a sul, a praia do Guincho é muito procurada por surfistas da Grande Lisboa para descontrair no fim de um dia de trabalho.

Surfar ondas gigantes

Surf giant wavesNo mar da Nazaré, uma depressão subaquática, a que se dá o nome de canhão (“canyon”), leva à formação de ondas gigantes, com mais de 20 metros de altura, consoante as condições meteorológicas. O facto era bem conhecido dos pescadores locais, mas correu mundo depois de Garrett McNamara ter aí batido o recorde da onda mais alta surfada pelo Homem. Hoje, os surfistas mais intrépidos acorrem à Nazaré no inverno para tentar, novamente, o impossível.

“Rafting”

Acha que controlar um barco de borracha sobre rápidos, alternando as rochas com a água, tentando manobrar entre correntes traiçoeiras e deslizando a alta velocidade sem saber exatamente onde é que o barco vai “aterrar”, é algo que só se faz no estrangeiro? Desengane-se, pois nos rios Paiva e Minho existem empresas que lhe permitem experimentar sensações fortes com um remo nas mãos.

“Kitesurf”

A praia do Guincho (Cascais) e as praias de Alvor e Lagos (Algarve) possuem empresas dedicadas à formação no “kitesurf”, um desporto exigente e que requer cuidados especiais para que o “kitesurfer” controle o vento, e não o contrário. A emoção e a sensação de voo são bastante compensadoras!