Que Perigos Espreitam Os Praticantes de Desportos Aquáticos?

Os desportos aquáticos também compreendem alguns perigos, para os quais os novos praticantes devem estar atentos. Analisemos alguns desses riscos em detalhe:

Desportos Radicais

Extreme water sportsNo caso dos desportos chamados “radicais”, é fácil compreender os riscos envolvidos, uma vez que a própria sensação de perigo faz parte do apelo do desporto em questão. O “kitesurfing” tem sido associado a situações em que o praticante perde o controlo do “kite” sob ação do vento, podendo ser arrastado por centenas de metros; se existirem falésias, há perigo de morte. No “jetski”, a mota de água pode fugir ao controlo do praticante a altas velocidades; o mesmo pode acontecer no “rafting”, em que o domínio dos “rápidos” é o principal apelo. Nestes casos, além do risco, é a própria condição física do praticante que deve ser absolutamente perfeita. No caso do surf de ondas gigantes, nem seria preciso falar: a experiente surfista brasileira Maya Gabeira correu risco de afogamento na praia do Norte, na Nazaré. Recomenda-se que o desportista saiba nadar perfeitamente e tenha experiência prévia em outros desportos.

Desportos mais tranquilos

O surf já é de tal forma “mainstream” que começa a deixar de ser considerado como um desporto “radical”. Em todo o caso, o surfista, mais do que saber nadar, deve estar perfeitamente à vontade na água, mantendo a calma, e saber como lidar com correntes contrárias. Mesmo no caso do “stand up paddle”, recomendado para crianças, pessoas de mais idade ou menos propensas à atividade desportiva, é obrigatório que saibam manter-se calmas caso caiam à agua. A canoagem também tem sido procurada por famílias, por ser um desporto coletivo e uma experiência que podem partilhar, mas é necessário utilizar coletes e conhecer algumas regras básicas, caso o caiaque ou a canoa se virem ao contrário.

Os desportos aquáticos que exigem ao desportista mais tempo de exposição ao sol escondem outro perigo: as queimaduras. O uso de protetores solares é obrigatório, e recomenda-se roupa larga e chapéu. É o caso evidente das viagens de canoa a ritmo lento, que tendem a prolongar-se, por vezes, por várias horas, provocando escaldões aos seus praticantes.